A luta

A luta
Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem (Romanos 12.21)

A maior de todas as lutas é a que travamos connosco. É a nossa luta interior, que pode nos tornar pessoas sensíveis ou então em pessoas vingativas. Um exemplo prático disto parte daqueles que para mim são exemplos de como viver acima da mediocridade. Martin Luther King Jr e Nelson Mandela. Esses dois homens sofreram muito. Passaram por dificuldades, porém nunca se entregaram e por causa disso podemos ver que a semente que eles plantaram brotou no coração dos outros.
O nosso texto fala de uma luta travada interiormente. Não é uma luta contra os outros, é uma luta contra a nossa própria vontade. Por este motivo devemos estar atentos às nossas atitudes.
Quando leio este texto compreendo que não posso subestimar a maldade que há dentro de mim. É verdade eu sou mau. Essa é uma característica do ser humano. O problema é quando não reconheço a maldade que reina em mim. Quando penso que ela é algo que posso controlar. Eu preciso tomar cuidado, não posso subestimar este instinto ruim que habita dentro de mim. Ele precisa ficar subjugado, senão irá me dominar e poderei ser pior do que qualquer carrasco que a humanidade já conheceu.
Outra lição que aprendo é que preciso lutar para não permitir que o mal vença o bem. Tenho que lutar comigo. Preciso procurar forçar para não desejar a vingança. Lutar para não retribuir o desprezo com desprezo. Não posso ceder às pressões feitas para deitar-me a baixo. Tenho que resistir. A luta é intensa. Muitas vezes, reconheço que estou a fraquejar, sinto que as forças estão a faltar. Quando isto acontece, começo a perceber a maquinação do mal. Vejo-me a planear a revanche. Nestes momentos procuro parar e olhar para aqueles que são o marco da história do século XX e vejo que não posso seguir outro caminho que não seja o amor. Creio que estes dois homens tinham este texto bem firmado nas suas vidas.
A última lição que tiro deste texto é que só não serei vencido pelo mal se estiver em prática constante do bem. É não baixar a guarda. É estar vigilante, pois a qualquer momento algo pode entrar de surpresa e preciso cuidar disso para não ter uma reacção danosa e destruidora. Jesus sempre fez isso. Foi alguém que esteve vigiando sempre. Como dizem os escoteiros, sempre alerta. É verdade, se não estiver alerta, se não policiar minhas atitudes, tornar-me-ei um derrotado, pois é muito mais fácil praticar o mal que eu não desejo do que o bem que desejo e sei que deve ser praticado.
O meu desafio diário é não me deixar vencer pelo mal, mas vencer o mal com o bem.
Vamos orar:
Senhor Deus, eu quero reconhecer que sou mau. Tenho uma propensão a fazer as coisas erradas, que não te agradam. Por este motivo, quero te suplicar que me ajudes a vencer o mal com o bem.
Que eu aprenda olhar para as coisas boas e não valorizar as más. Que possa ser alguém apto para caminhar a segunda milha e a virar a outra face. Que eu não possa desistir de lutar.
Querido Deus, a minha súplica é para que eu não subestime o mal e venha a ser vencido por ele. Ajuda-me eu te imploro em nome de Jesus.
Amém

Autor: Marcos Amazonas dos Santos

Compartilhe esse artigo

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
[adinserter block="4"]

Sumário

[adinserter block="5"]

Artigos Relacionados