Os Songhais do Oeste Africano

Levando a mensagem a um povo sem esperança

Este povo de cerca de três milhões e meio de pessoas luta diariamente pela sobrevivência, às margens do Rio Níger, no oeste do continente africano. No passado, durante os séculos XV e XVI, os Songhai eram ricos e poderosos. Eles utilizaram a magia, suas elaboradas habilidades de liderança e seus exércitos para estabelecer o maior império medieval da África do Oeste, governando um vasto território, onde atualmente estão localizadas as Repúblicas do Mali e do Níger.

Entretanto, em 1591, guerreiros marroquinos vindos do Norte, invadiram o território, saquearam suas riquezas e subjugaram o valente exército Songhai numa violenta batalha, onde as armas de fogo marroquinas mostraram esmagadora superioridade sobre as lanças e espadas Songhais. O orgulho deles foi destruído e sua imponente fé no islamismo revelou-se inútil, ao mesmo tempo que as preces endereçadas a deuses pagãos e sacrifícios a demônios mostraram-se ineficazes. Os feiticeiros Songhais nada puderam fazer para que retornassem à glória de outrora.

Na nova realidade, a agricultura de subsistência é o meio de sobrevivência. Cultivar o sorgo, o feijão e o painço (um tipo de espiga de cujos grãos produzem farinha utilizada na preparação de diversos alimentos) em solos secos, e cuidar do gado são tarefas destinadas aos homens e meninos, enquanto o trabalho doméstico é reservado às mulheres. Os Songhai convivem diariamente com a fome, com doenças e a com a morte prematura de duas em cada três crianças com menos de cinco anos. Elas ajudam com o trabalho diário desde pequenas e poucas vão à escola.

Os Songhais vivem em um dos climas mais rigorosos do mundo, sob um sol implacável, com temperaturas que podem atingir 50o C e com poucas chuvas. Embora o deserto do Saara avance e consuma as lavouras, dificultando ainda mais a sobrevivência, a unidade dos clãs Songhais sobreviveu em meio à adversidade. As típicas vilas Songhai são formadas de extensos agrupamentos familiares. Suas casas são construções redondas de barro ou palha e a cobertura é feita de palha ou sapê. Eles se casam com outros Songhai e permanecem dentro de suas famílias polígamas e patriarcais. Valorizam a paciência, o trabalho árduo, a coragem, a habilidade de ouvir, a hospitalidade e a honestidade.

Mesmo com todas as suas práticas religiosas, para os Songhais, Deus é um ser distante, impessoal e indiferente, cuja ira contra os humanos pecadores jamais poderá ser aplacada. Temem o mundo espiritual e respeitam o poder dos seus ancestrais. Cerca de 98% dos Songhais permanecem sob o jugo do islamismo, ao mesmo tempo em que recorrem a práticas tradicionais de magia e feitiçaria (animismo). Sua sociedade patriarcal, bem como sua história, costumes e tradições têm, praticamente, permanecido intactos por séculos, o que faz com que haja resistência a mudanças, e conseqüentemente, barreiras ao testemunho do Evangelho. Eles são um dos mais de dois mil povos do mundo com pouco ou nenhum acesso ao Evangelho, e necessitam desesperadamente de Jesus. Existem poucos cristãos conhecidos entre os Songhai.

Há um grupo de missionários trabalhando entre eles, inclusive alguns brasileiros. Mas ainda são insuficientes para levar a mensagem do Deus de amor e perdão. Muitos têm clamado ao Senhor pela salvação dos Songhais, e, à medida que outros voluntariamente dedicam seu tempo e talentos a esta tarefa, sensíveis mudanças ocorrem. Songhais têm crido e entregue suas vidas a Cristo. Pequenas igrejas foram implantadas e alguns líderes cristãos Songhais estão sendo treinados…

Você pode entrar na equipe pela salvação dos Songhais a ajudá-los a conhecer o Deus que ama e perdoa:
– Una-se a uma das equipes em viagens de oração entre eles;
– Ajude a sustentar um dos missionário entre os Songhais;
– Junte-se à equipe de missionários entre os Songhais, no Oeste da África

Caso você queira saber mais sobre os Songhais, escreva para:

Equipe pelo povo Songhai
B.P. 10038 – Niamey
Républic du Niger – Afrique de l’Ouest
e-mail: womble@intnet.ne

Autor: Reinaldo Teixeira

Compartilhe esse artigo

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
[adinserter block="4"]

Sumário

[adinserter block="5"]

Artigos Relacionados